terça-feira, 18 de julho de 2017

Fátima, cem anos 13 memórias_ livro

O que é que Vossemecê me quer?
Cem anos depois. É tempo oportuno para avaliar a dimensão de um acontecimento que não pode deixar de ter sido importante, caso contrário, cem anos depois, ninguém o lembraria.
Lúcia, Francisco e Jacinta, como as crianças que aprendem a conhecer a mãe ainda antes de saberem o seu nome, aprenderam a ir ao encontro da Virgem, a olhar a Senhora mais brilhante que o sol, que refletia sobre eles a luz do Céu.
Fátima pode ser vista de vários ângulos, mas tem um especial matiz quando a vemos desde o olhar dos pastorinhos. Escolhidos por Deus, as suas vidas mudaram completamente no dia em que receberam a visita da linda Senhora e perceberam que queria deles algo especial. Lúcia, que falava em nome do grupo, foi quem fez a pergunta: “O que é que Vossemecê me quer?”. Inocência e pureza de uma criança envolvida pelo dom de Deus, que não pensa em tirar proveito do benefício recebido mas se disponibiliza imediatamente para fazer aquilo que lhe for pedido, mesmo não fazendo ideia do que poderia ser e do quão exigente e difícil seria.
O diálogo continua e a Senhora diz-lhes o que quer, respeitando a sua liberdade de aceitar ou não: “Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos?
– Sim, queremos.
– Ides, pois, ter muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto.”
Os três sofreram muito, mas sempre testemunharam a alegria interior que sentiam na entrega das suas vidas a Deus pelas mãos de Maria. Como a Irmã Lúcia escreveria mais tarde: “Sem nos darmos conta, este sim, libertou-nos de nós mesmos e de tudo o que à terra nos podia prender, para, despojados de tudo, seguirmos o caminho por onde Deus queria conduzir-nos. Deu-me por Mãe a Sua própria Mãe e Ela guarda a Minha Vida.” A vida de Lúcia foi a mais longa, durante 88 anos continuou a perguntar a Deus e à Senhora o que queriam dela e, nos momentos difíceis, nas decisões que teve que tomar, nas dúvidas e provações que passou, até ao seu último suspiro, renovou constantemente o “Sim, quero” pronunciado pela primeira vez na Cova da Iria.
“Ser santa é saber dar-se, entregar-se, dizer sempre «Sim!» a tudo o que o Senhor quiser, com amor, com alegria, e generosidade”, deixou-nos escrito, mais que com tinta, com a sua própria vida.
Cem anos depois “O que é que Vossemecê me quer?” de Lúcia, como outrora o “que quereis, Senhor, de mim?” de Teresa, mostram-nos rasgos de corações grandes e totalmente disponíveis ao querer de Deus. Os santos são aqueles que não medem consequências quando se trata de se darem de todo ao Tudo, seja lá o que for que Deus lhes pede.
Carmelo de Santa Teresa

Fátima, Cem anos 13 Memórias
Em pleno ano da celebração do centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, o novo livro da autoria de Manuel Couto, intitulado “Fátima, cem anos 13 memórias”, apresenta articulado ao longo do simbólico número 13, outros tantos textos, acompanhados de magníficas ilustrações fotográficas, que procuram elucidar obre os extraordinários acontecimentos vividos pelos pastorinhos e outras personagens, desde 1917 até aos dias de hoje.
Esta obra, que transcorre cem anos de história, não se encerrando na história do passado, mas mostrando-nos também a história de hoje, é-nos apresentada pelo historiador que fez parte da Comissão Histórica do Processo de Canonização da Irmã Lúcia. É por isso uma obra única e de grande valor.
Pode ser adquirido em qualquer livraria ou em www.livrodefatima.pt